MAIS
    spot_imgspot_img
    HomeBrasilTJMG busca acordo em ações sobre risco de rompimento de barragens em...

    TJMG busca acordo em ações sobre risco de rompimento de barragens em Macacos

    Partes têm prazos fixados para acertar termos da conciliação

    Audiência coordenada pela 3ª Vice-Presidência do TJMG busca acordo em ações sobre danos morais e materiais associados a moradores de Macacos

    O 3º vice-presidente do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, desembargador Newton Teixeira Carvalho, e o coordenador-adjunto do Cejusc de 2º grau, desembargador Ronaldo Claret de Moraes, conduziram nesta sexta-feira (11/6) audiência de medição referente à ação civil pública 5000901-97.2019.8.13.0188, em andamento na 2ª Vara Cível da Comarca de Nova Lima.

    Essa ação é movida pelo Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) e pela Defensoria Pública de Minas Gerais (DPMG) contra a Vale S/A. Os autores buscam a defesa dos “direitos humanos dos refugiados ambientais decorrentes da evacuação e daquelas que, de alguma forma, sofreram danos materiais e morais devido ao risco de rompimento de barragens de rejeitos de minério situada no distrito de São Sebastião das Águas Claras, conhecido como Macacos, em Nova Lima/MG”.

    Ao final, decidiu-se que a movimentação da ação será suspensa para viabilizar a conciliação. As partes solicitaram, contudo, o andamento da análise do pedido de retorno às suas residências, das pessoas que estão fora da mancha de possível inundação, caso haja rompimento das barragens.

    Outro acordo apontou que o MPMG e a DPMG irão peticionar para que outra Ação Civil Pública, a 5000905-37.2019.8.13.0188, que está em andamento na 1ª Vara da Fazenda Pública e Autarquias da Comarca de Belo Horizonte e que trata de tema correlato, seja remetida ao Cejusc 2º grau, e tenha tramitação em conjunto com impetrada em Nova Lima. Em todos os dois casos, houve a concordância da Vale S/A.

    Ministério Público e Defensoria Pública apresentarão em um prazo de 30 dias proposta de acordo à Vale S/A. A empresa terá 30 dias para se manifestar acerca do acordo.

    Efeito duradouro

    O 3º vice-presidente Newton Teixeira Carvalho considera que a busca de conciliação entre MPMG, DPMG e Vale S/A nas ações envolvendo danos morais e materiais aos moradores de Macacos é consequência do acordo anterior que envolveu o rompimento da barragem do Córrego do Feijão, em Brumadinho.

    “A excelente repercussão da conciliação celebrada surtiu efeito a ponto de colocarmos em prática políticas autocompositivas em inúmeros conflitos considerados complexos. Sabemos que um processo judicial demora muito e a sociedade tem buscado resolver suas demandas judiciais de forma célere”.

    No caso de Macacos, prossegue o desembargador, parte dos moradores foi impactada com deslocamentos de suas residências. “Houve perdas econômicas no turismo e no comércio. A empresa, ao aceitar a busca da mediação, começa a se movimentar no encontro de soluções. Há consciência de que, um processo ao chegar a um Cejusc, vislumbra-se uma solução rápida e célere para o conflito”.

    O desembargador Ronaldo Claret de Moraes acrescentou que audiência realizada teve resultado positivo no encaminhamento do acordo. No prazo de 30 dias, MPMG e DPMG devem apresentar uma proposta formal de acordo, “com quais pontos gostariam que fossem atendidos pela empresa. A Vale, por sua vez, vai se manifestar posteriormente, em prazo idêntico. Posteriormente, faremos outra audiência para buscarmos o acerto e finalizarmos as ações civis públicas”.

    Também participaram da audiência de mediação, o juiz auxiliar da 3ª Vice-Presidência, José Ricardo Véras; as assessoras da 3ª Vice-Presidência, Sofia Damasceno Barbosa e Stephaine Venâncio Rodrigues; o procurador de Justiça, Antônio Sérgio Rocha de Paula, a promotora Renata Cerqueira da Rocha Limones Monteiro, o promotor Lucas Marques Trindade; os defensores públicos, Antônio Lopes de Carvalho Filho e Felipe Augusto Cardoso Soledade; os advogados da Vale S/A, Bernardo Santana de Vasconcellos, Lilian Maia de Figueiredo Simões, Pedro Henrique Carvalho, Lourenço Rabelo Cardoso e Luiz Henrique Medeiros.

    Assessoria de Comunicação Institucional – Ascom
    Tribunal de Justiça de Minas Gerais – TJMG

    LEAVE A REPLY

    Please enter your comment!
    Please enter your name here

    Deve ler

    spot_img