MAIS
    spot_imgspot_img
    HomeDistrito FederalPSD Mulher-DF debate o enfrentamento à violência de gênero

    PSD Mulher-DF debate o enfrentamento à violência de gênero

    A base feminina do Partido Social Democrático do Distrito Federal (PSD-DF) realizou, neste sábado (29), no Taguatinga Shopping, a segunda edição do “Diálogos PSD Mulher”.  Comandando pela presidente do PSD Mulher no DF, Deborah Carvalhido, o encontro abordou diversos temas essenciais para o público feminino.

    A mesa de debates contou com a presença da secretária da Mulher do DF, Giselle Ferreira; da presidente do Conselho da Mulher Empreendedora e da Cultura do DF e presidente da Câmara de Mulheres Empreendedoras, Empresárias e Gestoras de Negócios da Fecomércio, Beatriz Guimarães; da delegada da Delegacia Especial de Repressão aos Crimes por Discriminação Racial, Religiosa ou por Orientação Sexual ou Contra a Pessoa Idosa ou com Deficiência (Decrin), Ângela Maria dos Santos; e da psicanalista, empresária e conselheira da GPS|Foundation, Silvia Badra.

    Segundo Deborah Carvalhido, a segunda edição do “Diálogos PSD Mulher”, projeto de capacitação política que visa ampliar o conhecimento e o repertório das filiadas do partido em temas que impactam a vida das meninas e mulheres no Distrito Federal, tem como objetivo proporcionar um olhar feminino na elaboração de políticas públicas. “É um projeto itinerante, então quero agradecer todos os envolvidos e envolvidas que trouxeram este programa ao Taguatinga Shopping. O presidente Paulo Octávio é ousado e inovador e a gente celebra essa oportunidade”, afirmou.

    “Vamos seguir debatendo o enfrentamento da violência doméstica e a violência feminina. É um tema um pouco desconfortável, a gente sabe. Mas a insistência é porque todos os índices têm demonstrado o aumento da violência. A gente precisa ter um papel fundamental nessa luta, com conhecimento e fortalecimento, para oferecer nossas ideias e contribuir na elaboração de soluções, considerando sempre o olhar preventivo e inclusivo”, comentou.

    Para a delegada Ângela Maria dos Santos, a violência doméstica é fruto de uma “sociedade construída por homens que pensam para homens”. Ela ressaltou ainda que a Lei Maria da Penha lista cinco formas de violência. “A psicológica é pouco falada, mas corrói as mulheres, mina devagar. Por isso, ela é tão grave, porque abre a porta para outras. A moral e a física vêm em seguida. A Decrin foi criada para ter esse olhar para as pessoas que estão sofrendo várias formas de violência, como de raça, idade, de deficiência”, destacou.

    Especialista no tema, Silvia Badra enfatizou a importância da saúde mental e do diálogo contínuo para prevenir a perpetuação de violências decorrentes de estruturas patriarcais. “Este é um espaço precioso de troca de experiências e é primoroso historicamente estar aqui nesse momento”, afirmou. A psicanalista fez questão de derrubar mitos que cercam a violência psicológica.

    “Sofrimento psíquico não quer dizer que você é louca. A gente sabe que, para a violência física há reparo, mas para a violência psicológica não há remédio. Por isso, é preciso se perguntar: se eu fizesse o mesmo, qual seria a resposta desse homem?”, destacou, lembrando que, por uma questão histórica, o racismo e o preconceito são mais intensos com a mulher. “A mulher se cala porque foi ‘moderada’ no medo. Seu resgate não é em uma perspectiva revanchista, não é para tomar o poder. É para dividir o poder, para fazer com que a troca exista?”, completou

    Para a secretária da Mulher do DF, Giselle Ferreira, existe a necessidade de se estabelecerem políticas públicas que garantam a abertura de espaços políticos para mulheres. Ela destacou ainda a importância da união entre os setores público, privado e o terceiro setor para fomentar um diálogo transparente.

    “A pauta da mulher tem que ser a união entre todas as secretarias, pois não há como falar de violência contra a mulher se a gente não conversar com os homens, para termos uma nova sociedade. Campanhas voltadas para esse diálogo com os homens precisam reafirmar que homem que agride mulher é covarde”, afirmou.

    Ela também mencionou o fato de o DF ser a primeira unidade da federação a ter um programa de apoio aos órfãos do feminicídio e que realizou a implementação do Observatório contra a Violência à Mulher no DF, iniciativas que visam proporcionar maior suporte e proteção às vítimas, após o aumento dos índices deste tipo de crime.

    “Fazemos um enfrentamento da violência, mas também trabalhamos na prevenção”, afirmou, lembrando ainda que a Capital tem mulheres em altos cargos, inclusive na Polícia e nos Bombeiros. “A mulher, sabendo que terá apoio, denuncia. Procurem também as redes da Secretaria da Mulher, pois oferecemos muitas formas de capacitação”, concluiu.

    Empresária de destaque no DF, Beatriz Guimarães apontou o empreendedorismo como um meio poderoso para combater a violência de gênero, além de promover inovação e gestão eficiente nos negócios, independente de classe social.

    “O Sebrae tem um programa de empreendedorismo feminino. A mulher formalizada pode ter acesso a crédito, por isso é importante abrir MEI e conta bancária, para ter acesso a crédito. Com isso ela pode empreender, por exemplo, nas áreas de beleza e alimentação. Mas é sempre preciso criar um diferencial. Fazer um bolo de forma inovadora, criar receitas diferentes, entregar em formatos novos”, exemplificou.

    Ela também desmistificou crenças limitantes, que dizem que a mulher não sabe mexer com dinheiro. “Isso não é verdade. Mas é importante levantar os custos da sua produção para não perder dinheiro. A mulher, quando empreende , traz mais qualidade de vida para todos ao seu redor, família e comunidade”, ensinou. Beatriz  Guimarães indicou ainda o  Projeto Prospera do GDF, voltado para mulheres que inclusive estão negativadas.

    “Precisamos ocupar espaços de poder. O homem é solidário à nossa dor, mas ele não a sente”, concluiu.

    Ao fim do encontro, o presidente do PSD-DF, Paulo Octávio, elogiou a iniciativa da ala feminina de trazer o debate às cidades do DF. “Tivemos a participação de mulheres de Taguatinga de Ceilândia, por levar o encontro ao Taguatinga Shopping. Foi um sucesso, com palestras interessantes. A motivação e a emoção das mulheres em participar da vida pública brasileira é fundamental”, disse, elogiando a inciativa de Deborah Carvalhido, presidente do PSD Mulher- DF.

    “Ela está fazendo um trabalho extraordinário, conclamando as mulheres de todas as cidades para participarem do nosso movimento político de integração e participação. É essa a filosofia do PSD. Vamos continuar a fazer encontros em outras cidades, motivando a participação cada vez mais efetiva da mulher na vida política do Brasil”, finalizou.

    LEAVE A REPLY

    Please enter your comment!
    Please enter your name here

    Deve ler

    spot_img