MAIS
    spot_imgspot_img
    HomeNotasFRAGA ENTRA NO TRE PARA CASSAR ROLLEMBERG

    FRAGA ENTRA NO TRE PARA CASSAR ROLLEMBERG

    Fraga entra no TRE para cassar Rollemberg
    Daise Lisboa, do Jornal Coletivo

    Candidato ao Senado em 2010, o ex-deputado federal Alberto Fraga (DEM) vai entrar amanhã (13) com uma ação no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) contra o senador brasiliense Rodrigo Rollemberg (PSB) por conta de uma condenação do parlamentar pelo Tribunal de Contas do DF, que o deixou inelegível por cinco anos, além de não ter pago a multa determinada pelo tribunal, que até hoje ele não cumpriu.

    “Essa ação não é para ganhar o mandato dele no tapetão, mas para mostrar à população de Brasília que o senador não é Ficha Limpa. Ele, enquanto secretário de Turismo, autorizou a CBN a funcionar na Torre de Televisão, fraudou a licitação, isso em 1997. Ele foi condenado peloTribunal de Contas do DF, recorreu, perdeu e entrou com pedido de anulação da punição no TCDF, e em seguida pediu a tutela antecipada. Ele foi condenado a pagar uma multa de R$ 500”, explicou Fraga, dizendo que em seguida Rollemberg entrou com um agravo e foram mantidas as punições.

    De acordo com o ex-deputado, o senador apelou e perdeu em todas as instâncias. O fato é que ele se enquadra na lei complementar 64 de 1990 que trata das inelegebilidades. O que diz na alínea G: “são inelegíveis aqueles que forem condenados por colegiado na prestação de contas, por sentença irrecorrível”.

    “No mérito do Tribunal de Contas ele já perdeu. Quanto a pena, ele fica inelegível por cinco anos, a partir da publicação. A data da publicação, quando foi expedido o resultado, foi 2002, mas inexplicavelmente, o TCDF não o inseriu na relação dos inelegíveis, tanto que em 2002 ele concorreu a governador, em 2006 concorreu a deputado federal e em 2010 a senador. A minha pergunta: é que ele não cumpriu a pena de 5 anos inelegível, para ele ter cumprido, para ele ter tido o direito de concorrer, ele teria de ter conseguido a tutela e não conseguiu”, destaca Fraga.

    O mais inexplicavel e curioso para Fraga é que, com aquele tumulto todo em cima da candidata Maria de Louredes Abadia (PSDB), candidata ao Senado, o nome de Rodrigo Rollemberg não apareceu em hipótese algum e ninguém pediu a impugnação do mandato dele. “Eu não soube na época, mas se soubéssemos a data em que foi apresentada a sentença… sabe quando? dia 4 de outubro de 2010. Ou seja um dia após as eleições. Então, esse processo, essa decisão só saiu, oito anos depois, sem nehuma prova adicional, sem nenhum fato novo. Isso é o que se chama embargos de gaveta”.

    Fraga reforça que não quer o mandato de Rollemberg, mas quer que a população do DF saiba que ele tem condenação. “Porque quando somos nós, há o maior estardalhaço. Mas quando é com ele, que foi condenado e não pagou a multa, fraudou o processo licitatório e isso não veio à tona, ninguém faz nada. Aliás, ningúem sabia de nada. Então, estou entrando com uma ação ordinária contra ele”.

    Muitos advogados poderão dizer que o Fraga está preposto, que perdeu o prazo. “Perdi, é verdade, mas perdi o prazo porque não houve publicidade. Quem sabia? Estou invocando meu direito constitucional de entrar com uma petição no momento em que fui informado. Então vamos dicutir isso na justiça”.

    Quanto a diplomação, no seu entender ela pode ser revogada. “Ela é um ato administrativo jurisdicional. Ora se o ato administrativo foi consolidado, dizer que não pode voltar atrás? E quantos governadores que foram diplomados e depois foram cassados? Dizer que a diplomação não pode voltar atrás é matéria vencida. Então a minha idéia, é pedir a justiça que reveja o caso dele”.

    Segundo informação de Fraga, Rollemberg está enquadrado na alínea G da lei complementar 64 de 1990, que diz: os que tiverem suas contas rejeitas por irregularidades e sanável, e por decisão irrecorrível, ou seja, perdeu, salvo se a questão estiver sendo apreciada pelo poder Judiciário para as eleições que se realizarem a partir da data da decisão. “Quando se diz, salvo, se a questão estiver sendo, ou tiver sido submetida a apreciação do poder judiciário aqui ele tem de ter a tutela antecipada. Ele pediu a tutela antecipada e não foi concedida. Ou seja: ele estaria enquadrado nessa alínea G. Para os advogados de Fraga, se em 2002 Rodrigo Rollemberg foi enquadrados a cinco anos de inelegibildiade, ele não cumpriu e “se não cumpriu não poderia ter se candidatado a governador, deputado federal e nem a senador. Ele não cumpriu a pena de cinco anos, e lá no TCDF a sentença era irrecorrível, e ele não tinha o que fazer”.

    Fraga reitera que só tomou conhecimento do caso no início deste ano, depois que ele tomou posse no Senado. “Se o fato tivesse vindo a público antes, o resultado das eleições de 2010 seria imprevisível. O que mais me deixou chateado foi que tivemos um candidato ao Senado, uma condenação e ninguém comentava nada, e ainda diziam que ele era Ficha Limpa, e não é. A Abadia pagou um preço altíssimo, porque foi ventilado que ela era Ficha Suja, embora recentemente tenha saído uma decisão favorável a ela, comprovando que ela não é ficha suja”, explicou. E completou: “A ação contra Rollemberg será impetrada ao TRE e é claro que nós perdemos o prazo, mas se a ação for bem analisada ele vai ter de dar uma explicação”, garante Fraga.

    16 COMMENTS

    LEAVE A REPLY

    Please enter your comment!
    Please enter your name here

    Deve ler

    spot_img